Crisis in the Atlantic Zone: Its Impact on Portugal and Brazil

2013-04-22 by Kenneth Maxwell

We are meeting at a time of increasing uncertainty about the future.

But it is necessary first to acknowledge that on both sides of the North Atlantic, within Europe as well as within the United States, the broad consensus that has prevailed for much of the post war period is breaking down.

In Europe, the crisis is focused on the European Union, and in particular on the euro-zone.  But a more fundamental question is at stake: The degree to which the welfare state can be sustained, and how it can be financed.
The current financial crisis in the United States, as well as in Europe, and in particularly here in Portugal, is essentially the same: how to sustain the social security and welfare networks which have become overly dependent on borrowed money in the face of austerity and limited resources. How can and how should the political system respond to these demands and resolve these dilemmas. Indeed does the political system processes the capability to respond.

In the United States the political impasse is obvious.

The current so called “sequestration” – the automatic budget cuts worth $85bn to the end of September – are a direct result of the failure of the Congressional leadership and the White House to agree on planned tax cuts or to raise revenues, so that the country is forced to accept increasingly draconian budget cuts by default. The overall economic recovery meanwhile remains weak and in March job creation was half what had been expected.  The pressure is on the Congress and the White House to reach a deal on US fiscal policy since the latest figures suggest that the US labour market is starting to suffer from the tax raises that began in January and the automatic budget cuts which began last month.

But the US does have strengths.

To take one example: Energy.  Over the past few years here have been some positive developments resulting from the rapid development of gas and oil recovered from shale deposits in North America, which in the longer term could have a significant impact on the energy market.  The existence of large amounts of hydrocarbons trapped in layers of sedimentary rock has been known for many years, but only recently has the use of horizontal drilling and hydraulic fracturing made the extraction of these deposits commercially viable. The size of the domestic gas market, a  well developed pipeline infrastructure, and changed regulations, have resulting in shale gas now making up 30% of the gas consumption in the US, up from a mere 1% in 2000.  The US has gone from being the world’s largest importer of gas in 2007 to being largely self-sufficient today.

Shale oil production has yet to catch up. But US petroleum imports have decreased from more than 13 million barrels a day in 2000, to less than 8 million barrels by the end of 2011. For the first time in 60 years the US is now a net exporter of refined petroleum products.  The International Energy Agency recently reported that it expects the US to overtake Saudi Arabia as the world’s largest global oil producer by the year 2020.

The North Atlantic area is in economic crisis. And a geopolitical one could well follow. Brazil and Portugal, each in their own ways, are affected by the crisis. Credit Image: Bigstock

In Europe the problem is more serious it seems to me.

The euro in effect appears to have imposed a straight jacket on the euro-zone which diminishes competitiveness across the southern tier of counties from Greece, Cyprus, Italy, Spain, and Portugal. Unemployment levels in Southern Europe have now reached near catastrophic level. The latest statistics from “Eurostat,” the European Union’s statistical agency based in Luxemburg, shows that across the European Union, unemployment reached 12% in January and February of this year.  But the individual country statistics tell a different story. In German the rate is only 5.4%.  In Austria it is only 4.8%.   But in Greece the rate is 26.4%, and reaches 58.4% among the young.  In Spain the rate is 26.3%, and among the young is 55.7%. In Portugal the rate is 17.5%, and 38.2% among the young.

Not surprisingly the statistics of “Eurostat” show that living conditions for many within the European Union are falling, and that 10% of the population reports that they cannot afford the cost of meal with meat, fish, chicken, or a vegetarian substitute, every two days.  240,000 Portuguese have left the country since 2011. And they are young and highly educated. The Portuguese are now the largest foreign community in Switzerland. At least 30,000 Portuguese have left for Angola. Young skilled Portuguese have also left for Brazil in large numbers.

What happened in Cyprus may not be a model for the rest of the European Community, and there are special circumstances in Cyprus to be sure. 

40 years ago Cyprus was traumatized by partition. During 1974 Athens inspired a coup aimed at uniting Cyprus and Greece. But this led to a Turkish invasion, and the northern third of the island remains under Turkish control.  The Greek Cypriot then built a low tax, high return, lightly regulated banking centre, and gained from the misfortunes of others,  from the collapse of Lebanon as a haven of financial services between Europe and the Middle East, which was destroyed by civil war and two Israeli invasions, from the collapse of former  Yugoslavia, and then of the Soviet Union.  In per capita terms Cyprus quadrupled their real earnings in constant dollars between 1975 and 2011 according to the World Bank.

Yet no one, until recently, suggested that tax havens were falling out of favour, or that German tax payers would resent “bailing out” their southern neighbours.

Mario Draghi, the Italian economist and central banker, who is the president of the European Central Bank, now oversees an exchange rate regime that, in effect, separates Europe into two blocks, the northern European nations where rates at low, and the southern nations like Spain, Italy, and Portugal, which especially for small and medium sized businesses, by far the majority of businesses in these countries, they are effectively not.

The European Central Bank saved the euro from collapse by providing lenders with cheap loans and by Mario Draghi’s commitment to buy sovereign debt in unlimited quantities which has lowered interest rates for the southern European countries.

But this has not succeeded in getting credit flowing to small and medium sized businesses in countries like Italy, Spain or Portugal.

For Portugal the problem is especially acute, and not only because of the rejection by the constitutional court of the government’s austerity measures intended to meet mandatory deficit targets. Portugal was perceived as having been the most German friendly government and which had most stoutly defended the policy of austerity, and had most closely followed the measures demand by the troika of international leaders, the European Commission, the International Monetary Fund and the European Central Bank. The Portuguese government has now announced that it will have make more cuts in spending on health, education and social security, in order to keep Portugal’s 78 billion euro bailout programme on track, and to regain access to international bond markets by September.  Any re-negotiation with the Troika deal will be extremely difficult, particularly in the face of the tougher, post Cyprus position on fiscal questions, taken by Germany and the Netherlands. There is a sense now that policy making is held hostage to the next German elections scheduled for September. But it doubtful that Europe, or Portugal, can wait six more months for action.

On military and geostrategic questions there is also an impasse. 

President Obama announced in his state of the Union address that the drawdown of US troops in Afghanistan would continue. But foreign policy was almost an afterthought in his speech. There is a strong impression that for President Obama, oratory, and of avoiding crises, strongly outweighs decisive action. This has been described as “leading from behind.” After Iraq, and Afghanistan, and Libya, and Syria, not to mention the continuing fraught relations with Iran, this may be unavoidable and unsurprising.

But the world remains a very dangerous place. 

North Korea is only the latest example. The risks of unpredictable and untested new leaders on both sides of the border in Korea could quickly lead to a miscalculation within a tinder box. Syria continues in downward spiral without any international consensus on how to act. Iran continues its quest of an atomic bomb. And Israel warns that its patience over what it sees as the Iranian threat is not finite.

The US has launched a new focus on trade and investment in the Pacific.  The US has also announced a free trade initiative with Europe. But it remains to be seen if these policy initiatives will bear fruit. The one thing that can be said with any certainty about trade, is that trade is, and will continue to be, one of the most fraught issues within the US Congress. Each member of congress has his, or her, constituents, and their self-interests at heart, and these are not convergent at all with support of free trade. Obama will need to build domestic constituencies for these measures, something he has so far singularly failed to do in support of other, and for most Americans, much more pressing questions, such as negotiating a sensible resolution of disagreements over the federal budget.

The Pacific partnership offers more immediate prospects, particularly because Brazil effectively blocked one of the most important free trade initiatives by the US in recent years, the Free Trade area of the Americas, which was originally intended to expand the North American Free Trade Area (NAFTA)  between the US, Mexico and Canada, more widely across the whole Western Hemisphere.

But Brazil opposed the Free trade deal for the Americas, and worked quietly, and very effectively, to block it. The US turned instead to more modest objectives making free trade deals with individual countries in the Americas. First it made a free trade deal with Chile, and then Peru.  Now Colombia, capitalizing on its nascent stability and prosperity has also turned its gaze towards the Pacific.

Colombia’s exports to Asia jumped 49% in 2012, reaching US$ 8billon.  This was a six-fold increase since 2005. China was the most important destination taking 42% of Colombia’s exports.  India was second taking 17%. The growth in Asian trade is breathing new life into Colombia’s Pacific ports such as Buenaventura.  Colombia is the only South Americans country with access to both the Atlantic as well as the Pacific Oceans.

Brazil reaction to the Free Trade Area of the Americas grows from its ambiguous relationship with the United States.

Brazil is the greatest of the Portuguese speaking countries. Its geographical dimensions, its ambition, and the strength of its economy make it so. Brazil has greatly expanded its South American contacts in recent years.  But Mercosul, the common market of the south, remains as much aspiration as reality. The relationship between Brazil and Argentina is increasingly problematical, and Paraquay has become a (temporary) outcast, while Venezuela has been incorporated. Brazil is the dominant partner within Merosul, and the EU and Merosul have held discussions.

But they were suspended in 2010 over the question of European farm subsidies, and moves by Brazil and Argentina to shield local industries from cheaper foreign made imports. The German ambassador to Paraquay has said that Germany will not sign any deal until Paraquay is readmitted. Spanish Americans are also worried about Brazil’s ambitions, and the scale of its business enterprise and the increasing internationalization of its large private and public corporations.   Embrair is now a leading producer and exporter of aircraft for civilian as well as military purposes for example, Brazilian investors now own one of the world’s largest beer producers, Brazilian television, and film making, and architecture, are all global in scope and in reputation. Brazilians meanwhile continue to flock to New York and to Miami.

There has been one positive result of the EU-US talk of beginning negotiations on an EU-US free trade area.

Brazil is apparently reviving the stalled efforts with the EU as a result of Brazil’s growing dependence on China.

Brazil is preparing to offer trading concessions to the EU its biggest trading partner accounting for one fifth of its exports and imports. This is to begin in the second half of this year.

Carlos Eduardo Bbijoadi, the director of operations for the Brazilian Confederation of Industries, referring to Manuel Durao Barroso, the EU president, said that “this is an opportune moment with a Portuguese speaking European Commission President, who can facilitate an agreement through our common language, and who holds Brazil in high esteem.”  Mersosul currently only has one free trade deal outside of South America and that is with Israel.

Brazil has become a member of the BRICS group – Brazil, Russia, India and South Africa – and at their last meeting in South Africa it was agreed that BRICS should form a development bank. 

But the countries that form the BRICS group are at least as competitive as they are collaborative. India and China are rivals. Both are nuclear powers. As of course is Russia.  Brazil and South Africa are not nuclear powers, though both could be, but each rejected that path some years ago.

Brazil, however, will soon make major decisions on the purchase of a new generation of jet fighters, and is upgrading its military forces, particularly its frontier forces to protect against narco-trafficking and cross border smugglers, as well as increasing its naval capacity with new surface vessels and submarines in order to protect its coastlines as well as Brazil’s off shore petroleum resources.

Angola is also petroleum rich, and Brazil has been developing its relationships with Angola, as well as with a wide range of African states. In many respects Brazil is re-establishing here a long term connection across the south Atlantic which had existed between the mid-sixteenth and the mid- nineteenth century, and which focused then on the importation of African slaves into Brazil.  Brazil was, after all, the largest recipient of African slaves in the Americas, and Brazilians of African origins form a vital component of Brazil’s rich racial and ethnic diversity and culture. It is out of this mixed racial and cultural background that Brazilian music and religious and cultural syncretism emerged.

In Brazil, in Angola, in Guinea Bissau, in the Cape Verde Islands, in Madeira, and in the Azores, as well as in Portugal, these links remain, though history, through immigration, through families, through business, and through language and culture, which are all difficult to quantify, but which are permanent assets. But there are also darker problems and interconnections that should not be ignored. And corruption and drug trafficking are two of the most difficult.

So what is the role of Portugal in this North-North and North-South Atlantic interaction?

At base its potential rests, it seems to me, much more in “soft power” than in more traditional geo-political or military dynamics, and its real promise lies in retaking the advantage of the original connections in a new manner.

That is to take advantage of the circumstances where the Portuguese speaking world has real strengths. Brazilian young entrepreneurs in the United States have provided a good example. They contribute through the Brazil Foundation to assisting under-privileged youngsters at home in Brazil. They raise money by having fun. They hold a major fund raising gala in New York or Miami.  Portugal already has several major foundations that are active internationally: The Gulbenkian Foundation, the Luso-Ameircan Foundation, the Oriente Foundation and the Champalimaud Foundation.  The upcoming World Cup and Olympic Games in Brazil also provide an opportunity. And Portugal, after all, also has football, Jose Mourinho, Andre Vilas Boas, and Cristiano Ronaldo.

The above text is published in Portuguese below.

Conferência de Lisboa: Rotas Atlânticas

Encontramo-nos num momento de crescente incerteza sobre o futuro. É necessário reconhecer que de ambos os lados do Atlântico Norte, na Europa, bem como nos Estados Unidos, o amplo consenso que prevaleceu durante a maior parte do período pós-guerra está a desmoronar-se.

Na Europa, a crise está focada na União Europeia, e em particular na zona-euro. No entanto, é uma questão mais fundamental que está em jogo: até que ponto é o Estado Social sustentável, e como poderá ser financiado?

A actual crise financeira nos Estados Unidos, assim como na Europa, e em particular em Portugal, é essencialmente a mesma: como sustentar um Estado Social que se tornou excessivamente dependente de dinheiro emprestado face à austeridade e recursos limitados. Como pode, e como deve o sistema político responder a estas exigências e resolver estes dilemas. Terá de facto o sistema político essa capacidade de resposta?

Nos Estados Unidos, o impasse político é evidente. O actual “sequestro orçamental” – os cortes orçamentais no valor de 85 mil milhões de dólares assinalados para final de Setembro – resultam directamente da incapacidade da liderança do Congresso e da Casa Branca em chegar a um acordo sobre as reduções de impostos previstas, ou medidas de aumento de receitas, o que obriga o país a aceitar cortes orçamentais cada vez mais draconianos por omissão. Entretanto, a recuperação económica global continua fraca. Em Março, a criação de empregos nos EUA foi metade da que era previsto. Existe uma tremenda pressão para que o Congresso e a Casa Branca cheguem a um acordo sobre a política fiscal dos EUA, já que os últimos dados sugerem que o mercado de trabalho americano começa a ressentir-se dos aumentos de impostos implementados em Janeiro e os cortes orçamentais que começaram no mês passado.

No entanto, os EUA têm fortes mais-valias. Um exemplo é o sector da energia. Ao longo dos últimos anos houve um forte investimento e exploração neste sector na América do Norte, que resultou no rápido desenvolvimento de combustíveis (gás e óleo) extraídos de formações subterrâneas de xisto e que a longo prazo poderão ter impactos significativos no mercado da energia. A existência de grandes quantidades de hidrocarbonetos aprisionados nas camadas de rocha sedimentar é conhecida há muitos anos, mas só recentemente é que a utilização de perfuração horizontal e fracturação hidráulica tornou a extracção destes depósitos comercialmente viáveis. O conjunto do tamanho do mercado interno de gás natural, uma infra-estrutura de gasodutos bem desenvolvida e a alteração dos regulamentos da legislação contribuem para que o consumo do gás de xisto nos EUA totalize 30% do consumo de gás natural no país, contra apenas 1% em 2000. Os EUA deixaram de ser o maior importador mundial de gás natural em 2007, para serem auto-suficientes hoje.

A produção de óleo de xisto ainda tem um longo caminho para percorrer. Ainda assim, as importações de petróleo dos EUA diminuíram de mais de 13 milhões de barris por dia em 2000 para menos de 8 milhões de barris no final de 2011. Pela primeira vez em 60 anos, os EUA têm um balanço positivo de exportação líquido de produtos petrolíferos refinados. A Agência Internacional de Energia declarou recentemente que espera que os EUA ultrapassem a Arábia Saudita como o maior produtor mundial de petróleo até 2020.

Na Europa, o problema parece ser mais grave. O Euro parece ter imposto uma “camisa-de-forças” na zona-euro, diminuindo a competitividade de toda a fileira sul de países como a Grécia, Chipre, Itália, Espanha e Portugal. Os níveis de desemprego no Sul da Europa já atingiram níveis quase catastróficos. As últimas estatísticas do “Eurostat” (agência de estatísticas da União Europeia com sede no Luxemburgo) mostram que, em toda a União Europeia, o desemprego atingiu 12% em Janeiro e Fevereiro deste ano. Contudo as estatísticas individuais de cada país contam uma história diferente: na Alemanha a taxa é de apenas 5,4%, e na Áustria de 4,8% enquanto na Grécia a taxa é de 26,4%, alcançando 58,4% entre os jovens, na Espanha de 26,3%, e entre os jovens de 55,7% e em Portugal, de 17,5%, e 38,2% entre os jovens.

Não surpreendentemente, as estatísticas de “Eurostat” demonstram que as condições de vida de muitos dentro da União Europeia estão a cair; relatórios indicam que 10% da população não tem poder de compra para fazer uma refeição de carne, peixe, frango, ou um substituto vegetariano, em cada dois dias. Desde 2011, 240.000 Portugueses, na sua maioria jovens, altamente qualificados deixaram o país. Os portugueses são hoje a maior comunidade estrangeira na Suíça. Entre 25 a 30 mil Portugueses partiram para Angola e jovens altamente qualificados partiram também para o Brasil em grande número.

O que ocorreu no Chipre não pode ser um modelo para o resto da Comunidade Europeia, e há com certeza circunstâncias especiais no Chipre. Há 40 anos o Chipre foi traumatizado pela divisão do país. Em 1974 um golpe pró-Helénico, visando unir o Chipre e a Grécia, depôs o governo legítimo levando a uma invasão turca que resultou em que o terço norte da ilha permaneça, até hoje, sob controlo turco. O lado Cipriota Grego criou então um centro bancário pouco regulamentado, de baixos impostos e altos rendimentos, lucrando assim com o infortúnio dos outros, desde o colapso do Líbano ̶  refúgio de serviços financeiros entre a Europa e o Oriente Médio, destruído pela guerra civil e duas invasões israelitas ̶ , ao colapso da ex-Jugoslávia, e depois da União Soviética. Segundo o Banco Mundial, em termos de per capita o Chipre quadruplicou os seus ganhos reais em dólares constantes entre 1975 e 2011.

No entanto, até há bem pouco tempo, ninguém havia sugerido que os paraísos fiscais estivessem a cair em desuso, ou que os contribuintes alemães se fossem ressentir de ter de “socorrer” os vizinhos do sul.

Mário Draghi, o economista italiano e banqueiro, que é o presidente do Banco Central Europeu, supervisiona actualmente um regime de taxas de juro que, na verdade, divide a Europa em dois blocos: o das nações do norte da Europa onde as taxas são baixas, e o das nações do sul, como a Espanha, Itália e Portugal, em que, para as pequenas e médias empresas, de longe a maioria das empresas desses países, as taxas são muito elevadas. O Banco Central Europeu salvou o Euro do colapso, fornecendo aos credores empréstimos a juros baixos, e através do compromisso de Mário Draghi em comprar dívida soberana em quantidades ilimitadas, que resultou na redução de taxas de juros para os países do sul da Europa. Medidas que, no entanto, não conseguiram aumentar o acesso ao crédito para as pequenas e médias empresas em países como Itália, Espanha ou Portugal.

Para Portugal, o problema é especialmente grave. E não só por causa da rejeição do Tribunal Constitucional das medidas de austeridade do governo destinadas a cumprir as metas obrigatórias do défice. Portugal foi visto até agora como tendo o governo mais pro-alemão, um forte defensor das políticas de austeridade que implementou rigorosamente as medidas exigidas pela Troika de líderes internacionais, a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional e do Banco Central Europeu. O Governo Português já anunciou que vai ter de fazer mais cortes nos gastos com saúde, educação e segurança social, a fim de manter o programa de resgate Português de 78 mil milhões de Euros no caminho certo, e voltar aos mercados internacionais em Setembro. Qualquer renegociação do acordo da Troika vai ser extremamente difícil, particularmente face às posições mais duras (devido ao Chipre) em termos de questões fiscais, adoptadas pela Alemanha e Holanda. Há a sensação que a formulação de políticas é refém das próximas eleições alemãs previstas para Setembro. No entanto, parece duvidoso que a Europa, ou Portugal, possa esperar mais seis meses para uma acção decisiva.

No plano das questões militares e geoestratégicas, há também um impasse. O presidente Obama anunciou no seu discurso do Estado da União que a retirada das tropas dos EUA no Afeganistão vai continuar. No entanto, a parte do discurso referente à política externa mais pareceu uma nota de rodapé na declaração. Há uma forte percepção de que para o presidente Obama, a oratória, e o evitar crises, se sobrepõem fortemente à acção decisiva. Isto tem sido descrito como “liderar a partir da retaguarda”. Depois do Iraque, Afeganistão, Líbia e Síria, para não mencionar as relações tensas com o Irão, esta situação parece ser inevitável e pouco surpreendente.

O mundo continua a ser um lugar muito perigoso. A Coreia do Norte é apenas o exemplo mais recente. O risco de ter novos líderes, imprevisíveis e inexperientes, em ambos os lados da fronteira coreana podem ter um efeito de um fósforo num barril de pólvora. A Síria contínua numa espiral descendente sem qualquer consenso internacional sobre como lidar com a situação, o Irão continua a sua busca por uma bomba atómica, e Israel adverte que a sua paciência, com o que entende ser a ameaça Iraniana, não é finita.

Os EUA lançaram um novo foco em comércio e investimentos no Pacífico. Anunciaram também uma iniciativa de comércio livre com a Europa mas resta ver se estas iniciativas políticas vão dar frutos. A única coisa que se pode dizer com alguma certeza sobre o comércio é que este é, e continuará a ser, uma das questões mais sensíveis no Congresso dos EUA. Cada membro do Congresso tem o seu eleitorado, e os seus próprios interesses, e estes não são em todos convergentes com o apoio ao comércio livre. Obama vai precisar de mobilizar apoios políticos locais para estas medidas, algo que até agora não conseguiu fazer em suporte de outras questões mais prementes, para a maioria dos americanos, como a negociação de uma resolução sensata de divergências sobre o orçamento federal.

A parceria do Pacífico oferece perspectivas mais imediatas, principalmente porque o Brasil bloqueou uma das mais importantes iniciativas de livre comércio lançada pelos EUA nos últimos anos, a área de Livre Comércio das Américas, que foi concebida com a intenção de expandir a Área de Livre Comércio norte-americana (NAFTA) entre os EUA, México e Canadá, para todo o hemisfério ocidental. No entanto, o Brasil opôs-se ao acordo de livre comércio para as Américas, e trabalhou em silêncio, e de forma muito eficaz, para bloqueá-lo. Entretanto, os EUA voltaram-se para objectivos mais modestos e fizeram acordos de livre comércio com outros países na américa do sul. Primeiro, com o Chile e depois o Peru. Também a Colômbia, capitalizando a sua estabilidade e prosperidade nascente, está neste momento a voltar o seu olhar em direcção ao Pacífico.

As exportações da Colômbia para a Ásia cresceram 49% em 2012, atingindo 8 mil milhões de dólares, que representam um aumento seis vezes superior ao registado em 2005. A China foi o destino mais importante, recebendo 42% das exportações da Colômbia, com a Índia em segundo lugar com 17% das exportações. O crescimento do comércio asiático tem trazido nova vida a portos Colombianos como o de Buenaventura. A Colômbia é o único país sul-americano com acesso a ambos os oceanos Atlântico e Pacífico.

A reacção do Brasil à Área de Livre Comércio das Américas surge da sua relação ambígua com os Estados Unidos. O Brasil é o maior dos países de língua portuguesa; a sua dimensão geográfica, ambição, e pujança económica assim o ditam. E o Brasil tem alargado os seus contactos americanos do sul nos últimos anos. Mas o Mercosul, o mercado comum do sul, no entanto, continua a ser uma promessa não cumprida. A relação entre o Brasil e a Argentina é cada vez mais problemática e o Paraguai tornou-se um pária, enquanto a Venezuela foi incorporada. O Brasil é o parceiro dominante dentro do Mercosul, e as discussões entre a UE e o Mercosul foram suspensas em 2010 por causa da questão dos subsídios agrícolas europeus, e as tentativas por parte do Brasil e da Argentina de proteger as indústrias locais de mão-de-obra estrangeira mais barata. Acresce ainda o protesto do Embaixador Alemão no Paraguai que afirmou que a Alemanha não assinaria qualquer acordo até o país ser readmitido. Os sul-americanos também estão preocupados com as ambições do Brasil, a escala das suas empresas e a crescente internacionalização das suas grandes corporações públicas e privadas. A Embraer é actualmente um importante produtor e exportador de aeronaves para fins civis e militares, por exemplo. Investidores brasileiros controlam agora um dos maiores produtores de cerveja do mundo, televisão, cinema e arquitectura brasileira são todos de âmbito e reputação global e os brasileiros, entretanto, continuam a afluir para Nova Iorque e Miami.

Há um resultado positivo das conversações UE-EUA para dar início às negociações sobre uma área de livre comércio entre as duas regiões. Devido à sua crescente dependência da China, o Brasil quer reestabelecer ligações de comércio livre com a União Europeia e prepara-se para oferecer concessões comerciais à UE, o seu maior parceiro comercial, responsável por um quinto das suas exportações e importações…este processo deverá ter início no segundo semestre deste ano.

“Este é um momento oportuno, pelo facto de existir um Português na presidência da Comissão Europeia que pode facilitar um acordo através da nossa língua comum e que tem o Brasil em grande estima”, disse Carlos Eduardo Bbijoadi, o director de operações da Confederação Brasileira das Indústrias, referindo-se a Manuel Durão Barroso. A Mersosul actualmente tem apenas um acordo de livre comércio fora da América do Sul, e que é com Israel.

O Brasil tornou-se membro do grupo dos BRICS – Brasil, Rússia, Índia e África do Sul -, que na sua última reunião na África do Sul decidiu que os BRICS deveriam formar um banco de desenvolvimento. Mas os países que formam o grupo dos BRICS são tão competitivos quanto colaborativos. A Índia e a China são rivais e ambas potências nucleares como, é claro, a Rússia. Brasil e África do Sul não são potências nucleares, embora pudessem ser, mas rejeitaram esse caminho há alguns anos. O Brasil, porém, em breve, tomará decisões importantes relativas à compra de uma nova geração de jactos militares, e está a actualizar as suas forças militares, particularmente as suas forças de fronteira, para se proteger contra o narcotráfico e contrabandistas, bem como aumentando a sua capacidade naval com novos navios e submarinos, a fim de proteger a sua extensa costa, bem como os seus recursos de petróleo off-shore.

Angola é também uma economia dinâmica e rica em petróleo. O Brasil tem vindo a desenvolver as suas relações com Angola, bem como com uma ampla gama de estados Africanos. Em muitos aspectos, o Brasil está a reestabelecer uma ligação de longo prazo através do Atlântico sul, que existiu entre meados dos seculos XVI e XIX, centrada sobre a importação de escravos africanos para o Brasil. O Brasil foi, afinal o maior recipiente de escravos africanos nas Américas, e os brasileiros de origem africana formam uma componente vital da rica diversidade racial, étnica e cultural do Brasil. E afinal é através deste fundo misto racial e cultural, que a música brasileira e o sincretismo religioso e cultural surgiram.

No Brasil, em Angola, na Guiné-Bissau, em Cabo Verde, na Madeira, e nos Açores, bem como em Portugal, estes elos de ligação permanecem através da história, da imigração, e da família, por meio de negócio, e através da linguagem e da cultura, bens difíceis de quantificar, mas que são activos permanentes. Contudo há problemas mais sombrios, e interligações que não devem ser ignoradas. A corrupção e o tráfico de drogas são duas das mais difíceis.

Qual é então o papel de Portugal nesta interacção atlântica “Norte-Norte” e “Norte-Sul”? Basicamente, creio que o potencial do país reside muito mais no seu soft power ou diplomacia cultural, do que nas dinâmicas mais tradicionais de natureza geopolítica ou militar, e a sua verdadeira promessa encontra-se em conseguir retomar as ligações originais de uma forma inovadora.

Tirando proveito das circunstâncias em que o mundo de língua portuguesa tem méritos reconhecidos. Os jovens empreendedores brasileiros nos Estados Unidos são um bom exemplo. Eles contribuem, através da Fundação Brasil, para ajudar jovens menos favorecidos no Brasil. Angariaram fundos enquanto se divertem, organizando prestigiadas galas de beneficência em Nova Iorque ou Miami. Portugal já tem várias grandes fundações que atuam internacionalmente: A Fundação Gulbenkian, a Fundação Luso-Americana, a Fundação Oriente e a Fundação Champalimaud. O próximo Campeonato do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil também se vão constituir numa oportunidade. E Portugal, apesar de tudo, também tem o futebol: José Mourinho, André Villas Boas, e Cristiano Ronaldo.

 

"If everyone is thinking alike, someone isn’t thinking."

—General George Patton Jr.

©2016 sldInfo. All rights reserved. Terms & Conditions.